Os alunos do 2º ciclo estão empenhados em aprender novos instrumentos. Este ano letivo, cada aluno escolheu o seu instrumento preferido e em grupo exploram o maravilhoso mundo dos sons. 

Nota a nota vão-se formando os primeiros acordes.

No dia 28 de Outubro, o colégio do Vale participou num torneio convívio de basquetebol, organizado pela AEEP, no qual participou com duas equipas, infantil A e infantil B. Ambas as equipas tiveram um desempenho de destaque, vencendo todos os jogos em que participaram.

Parabéns a todos pelo trabalho de equipa e pela participação exemplar!

Estudando um pouco mais sobre o nosso país, os alunos do 3º ano perceberam que Portugal tem uma grande diversidade de localidades, algumas quase desabitadas onde a vida é, sem dúvida, bem mais calma e mais próxima da natureza. Outras, onde vivem e trabalham muitas pessoas, caraterizadas pela azáfama das grandes cidades, como Lisboa e Porto.

Tendo como ponto de partida a visualização de algumas imagens, filmes e o diálogo com os alunos, rapidamente esboçaram as suas ideias no papel, onde novas aldeias, vilas e cidades ganharam vida.

Autênticas telas, de verdadeiros artistas, que tão bem souberam criar novos cenários.

 

No dia 16 de outubro, os alunos do 1º ano assinalaram o Dia Mundial da Alimentação, confecionando umas maravilhosas espetadas de fruta, para o seu lanche.

Para além de conhecerem todas as frutas, tiveram a oportunidade de partilhar os seus gostos e preferências, sendo o melão e a pera as frutas mais cobiçadas!

Foi uma atividade altamente divertida e bastante saudável!

A equipa da Sala Amarela propôs ao grupo visitar a Herdade dos Pernilongos.
A primeira pergunta que surgiu foi "O que são pernilongos?" A ideia de que
"são pernas grandes" era consensual . 



Mas, na Herdade dos Pernilongos houve muito por descobrir. Logo pela manhã,
com "pó de padeiro" colocaram a farinha no alguidar de barro, amassaram e
fizeram a bolinha de pão para colocar no forno de lenha. Também foi feito
doce de abóbora: cortaram fatias de abóbora, cheiraram a canela e o
cravinho, e colocaram num tacho muito grande.



Com as abóboras da Herdade, fizeram duas lanternas para brilhar no
Halloween. Ainda houve tempo para brincar na parede dos sons, escavar na
terra, encontrar jogos tradicionais, dar de comida às galinhas, ao porco e
ao cavalo; tocar na cabra e no porco preto mas, o melhor de tudo foi correr
atrás das ovelhas.



Um dia dedicado aos cheiros do campo, com muita tranquilidade e respeito
pela Natureza. 



E, afinal, os Pernilongos "são pássaros com pernas muito grandes!"

As folhas já começaram a cair e as crianças do Berçário e Sala Rosa  foram ao parque apanhá-las: Folhas grandes, pequenas, castanhas, amarelas… tantas!

Quiseram trazê-las para a sala. Depois, colocaram-nas numa piscina e mergulharam num mundo de descoberta. Descalçaram-se e exploraram este elemento da natureza com os pés, com as mãos, sentadas, em pé… 

Que divertido que foi…… ouvir o som das folhas quando passaram por cima!

Que divertido que foi…… atirar as folhas para o ar e senti-las cair nas suas cabeças!

Que divertido que foi…... aprender, conhecer, descobrir, crescer, sempre a BRINCAR!  

No que respeita à área de Expressão Plástica, muitas têm sido as técnicas de pintura exploradas pela turma, ao longo do tempo. Este ano letivo, para dar as boas-vindas ao outono, os alunos elaboram lindíssimos quadros alusivos à respetiva estação do ano.

A base utilizada por todos foram folhas de lixa, nas quais ficaram preenchidas na sua totalidade, com folhas de outono de várias formas e tamanhos. O seu preenchimento foi feito com lápis de cera, tendo em conta as típicas cores que caracterizam tão bem esta época e que tornam os nossos dias mais aconchegantes e alegres!

Parabéns 4ºA pelo trabalho realizado!

Chegou o Outono e tudo começa a mudar…As árvores começam a ficar despidas. As folhas que eram verdes começam a ficar amarelas,  castanhas e enchem as ruas por onde andamos!  

No nosso parque as folhas esvoaçam por entre as brincadeiras. É com grande alegria e entusiasmo que os meninos da Sala Vermelha apanham folhas para levar para a mãe, para o pai e até para a sala.  

Num conselho da manhã, foi-lhes perguntado o que gostariam de fazer com aquelas folhas. Após algumas reflexões, o grupo mostrou o desejo de fazer uma árvore…  uma árvore de papel! Então, combinaram fazer uma árvore muito grande e colá-la na parede à porta da sala. Com tintas e pincéis fizeram o tronco e os ramos, pintaram mãos que representavam as folhas, construíram um ninho com um passarinho e ainda colaram as raízes.  

Depois de tudo terminado e colado, juntaram-se ao pé da árvore e registaram tudo o que aprenderam sobre ela. O grupo ficou muito orgulhoso da árvore que construiu!

Neste inicio de 2º ano de escolaridade, os alunos do 2ºB tiveram oportunidade de mostrar toda a sua criatividade usando a técnica da raspagem!

Munidos de lápis de cor, guache e tesoura os alunos puseram mãos à obra!

Inicialmente cada aluno preparou a sua uma folha A4: foi necessário colorir toda a folha com as mais variadas cores usando lápis de cera, quanto mais alegres as cores, mais curioso ficaria o trabalho!

Seguiu-se a pintura de toda a folha com guache preto! A pintura com lápis de cera teria de ficar bem disfarçada! Nesta fase todos os alunos mostraram o seu empenho esmerando-se a pintar a sua folha o melhor que conseguiam para que o resultado final fosse o mais surpreendente possível!

Hora de fazer pausa no trabalho… As folhas recém pintadas teriam de secar!

No dia seguinte…grande entusiasmo! Aproxima-se a fase mais divertida – raspar a folha, fazendo o desenho! Mas…o que desenhar? “Se eu me enganar como apago?” Não se consegue apagar…por isso o melhor mesmo foi desenhar um esboço do desenho numa folha branca! Assim foi!

Esboços desenhados! Vamos lá experimentar!

Usamos a tesoura fechada, como se de um lápis se tratasse! Os mais variados desenhos começaram a surgir: barcos, corações, animais e pinturas abstratas!

Que divertido que foi!

 Através das pinhas sabemos se o tempo vai estar seco ou húmido... 

 Para confirmarem isto, os alunos da Sala Azul, de 5 anos, observaram as várias pinhas que tinham recolhido com as suas famílias e escolherm duas completamente abertas.

 Em grande grupo procuraram as possíveis hipóteses do que iria acontecer. Será que:

- as pinhas se iriam desfazer?  

- iriam fechar?  

- iriam ficar na mesma… abertas?  

- a água iria mudar de cor?  

 Decidiram então colocar as pinhas dentro de um recipiente transparente com água e …esperaram!

 No dia seguinte observaram que as pinhas estavam completamente fechadas.

 Retiraram-nas da água, colocaram-nas ao sol direto e estas voltaram a abrir!  

 Registaram em tabela todas as fases da experiência, com ilustrações e registo escrito, partilhando assim o que observaram e aprenderam!

A criatividade e a demonstração dos diversos tipos de arte são o motor do mundo humano, sem ela seríamos tão tristes e não daríamos valor às cores, aos pormenores que se encaixam no nosso quotidiano.

Quem diria que com folhas secas poderíamos criar tantas coisas lindas? E convidar os alunos do 2ºA para uma tarde bastante agradável, repleta de criatividade!

A única coisa necessária são folhas secas, tintas de cores diferentes e quentes, formatos, tamanhos e muita imaginação!

Artes com técnicas simples, mas com efeitos lindos, que permitem abrir novos caminhos, levando-os a sonhar e a entrar no sonho.

De história em história, a imaginação vai mais além e, desta vez, um dos protagonistas foi um tubarão que entrou dentro das salas dos alunos do 3º ano… Parece mentira!? Mas só para quem não acredita no poder dos pensamentos!

Mergulharam com este tubarão, mais ou menos bem comportado, e fizeram uma viagem ao fundo do “Oceano das Palavras Difíceis”… Uma imensidão de palavras, de todas as “espécies” e “feitios”… Palavras difíceis de entender, difíceis de escrever, difíceis de pronunciar, difíceis de traduzir… Mas sem medos, protegidos pelo tubarão, e com a ajuda de um elemento imprescindível, o dicionário, os alunos enfrentaram esta tarefa de forma divertida e descobriram o significado de algumas palavras. Conhecer mais palavras, torna a nossa comunicação, oral e escrita, bastante mais rica.

“O Tubarão na Banheira” foi mais um livro que nos levou a grandes descobertas, um livro prazeroso e de grande encanto, ao qual não faltou, inspiração literária e criativa!

 Os alunos da Sala Amarela, de 5 anos, ao avaliarem algumas das pinturas/desenhos livres, concluíram que teriam que melhorar as suas representações. Para além de pintarem a folha toda com cores, utilizando pincéis e esponjas, nas pinturas livres poderiam representar pessoas, espaços, objetos… Então decidiram fazer o seu autorretrato.

Mas o que é o autorretrato? “É fazer a nossa cara!” Em Tempo de Trabalho Comparticipado, observaram imagens de pintores que também fizeram o autorretrato (Tarsila do Amaral, Frida Kahlo e Almada Negreiros), comentaram contrastes sobre as fotografias e os quadros. Em grupo, concluíram que: “Há uma diferença entre as fotografias e os quadros. As fotografias estão a preto e branco porque são antigas e os quadros estão coloridos.”

 Para identificarem o autorretrato de cada um, construíram os nomes em plasticina e ainda descreveram aspetos sobre cada um. 

 Por fim, foram apresentados à Comunidade, em jeito de exposição.